Dezembro - 6 - Quinta

Naquele tempo estáveis sem Cristo... não tendo esperança, e sem Deus no mundo.
Conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido

(Efésios 2:12; João 10:14)

AS CIDADES VERDES

Ao voar sobre as grandes cidades francesas distinguimos, aqui e ali, algumas áreas de espaços verdes. O crescimento da vegetação nas cidades é uma verdadeira riqueza para elas. Cada vez mais os arquitetos tratam de integrar parques e jardins na paisagem urbana. Telhados e paredes estão recobertos por vegetação. Essas mantas vegetais são excelentes isolantes sonoros que também contribuem, graças à evaporação, para refrescar a atmosfera da cidade no verão. Protegem a biodiversidade, pois constituem um refúgio para muitos animais e plantas. 
Vistas do avião, essas zonas de vida vegetal formam um contraste incrível com a cor mais apagada dos telhados, fachadas ou ruas da cidade. Elas evocam a vida divina que Deus discerne em todos os que têm sido levados a um verdadeiro relacionamento com Ele pela fé em Jesus, o Salvador do mundo. Os verdadeiros crentes, a quem o Senhor conhece e que O conhecem, se parecem a essas plantas que respiram e se desenvolvem apesar da contaminação da cidade. Apenas quando vivemos num estreito relacionamento com Cristo, podemos produzir fruto para Deus e brilhar “como astros no mundo” (Filipenses 2:15). 
O que se deleita lendo a Palavra de Deus e medita nela é: como a “árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão” (Salmo 1:2-3).