Janeiro - 13 - Domingo

O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo. Estas coisas vos escrevemos, para que o vosso gozo se cumpra.
1 João 1:3-4

COMUNHÃO COM O PAI E O FILHO

  Há poucas palavras que designam algo que se tenha em comum com alguém. Mas, talvez a menos entendida, seja a palavra “comunhão”. Geralmente a mesma indica apenas o fato duma participação nominal em alguma denominação religiosa — algo que não oferece nenhuma garantia que seja uma comunhão viva com Cristo, ou uma devoção pessoal à Sua causa. Se todos os que se encontram nominalmente “em comunhão” fossem sinceros como homens de Deus, quão diferentes seriam as condições que poderíamos ter o privilégio de testemunhar!

  Mas o que é comunhão? É ter um objeto comum com Deus e compartilhar com Ele duma mesma porção; e tal objeto e porção, é Cristo — Cristo conhecido e desfrutado por meio do Espírito Santo. Isto é comunhão com o próprio Deus! Que privilégio termos a oportunidade de desfrutar dum objeto comum e duma porção comum com o próprio Deus! Nos alegrar nAquele em quem Ele se alegra! Não existe nada mais precioso do que isso. Nem mesmo no céu encontraremos algo que supere isso. Nossa própria condição, então, será muito diferente. Estaremos livres do corpo do pecado e da morte, e revestidos com um corpo de glória. Se nossa comunhão é real agora, assim ela será no futuro: “com o Pai e com Seu Filho Jesus Cristo” — “na luz”, e pelo poder do Espírito Santo.

  A verdadeira comunhão cristã só pode ser desfrutada na luz. Apenas quando estamos caminhando individualmente com Deus, no poder da comunhão pessoal, é que nós podemos realmente ter comunhão uns com os outros. Essa comunhão consiste numa alegria genuína, de coração, acerca de Cristo como nosso objeto e porção comum.